09 outubro 2011

não me conheço.

À mínima coisa, torno-me fria. Rude. Antipática. Olho-me ao espelho e não me vejo. Esta não sou eu. Esta foi quem tu me tornaste, com todas as facadas que me foste dando, ao longo dos anos. Com todas as vezes que me pisaste o coração, e eu deixei. Aprendi a encarar-te de outra forma, e por consequência, obrigaste-me a ser quem não sou, para poder aguentar tudo o que sempre foste. Por isso desculpa-me se já não vês a mesma menina. A tua menina. Desculpa-me, se às vezes me transformo naquilo que tu foste durante muito tempo.

1 comentário:

Esther disse...

isso é bom por um lado. defesas!