22 outubro 2011

Se abrires a minha janela, fica a saber que te amo.

Não sei se ainda é hábito teu caminhares até aqui. Abrires a minha janela e ficares a decifrar o meu interior. Costumavas fazê-lo, todos os teus dias, durante várias horas. Mas agora não sei. Não te sinto abrir a janela, não te sinto olhar-me, e desejar ler o meu interior. Mas talvez o faças, enquanto durmo e sonho contigo, talvez corras rápido até aqui e te delicies comigo. Sei que sempre adoraste fazê-lo, e tu nunca foste de perder os teus hábitos. É como fumares o teu cigarro depois das refeições, é como chegares ou saires de casa e ires ao quarto dar-me um beijo. Hábitos teus.

4 comentários:

Aurora disse...

Olha docinho tem força também, dói não é amor, oh :( e olha pequenina, tenho a certeza que continua a vir cá <3

claudiagomes. disse...

minha suu, declaro que.. escreves cada vez melhor.

Buu disse...

o João M. é qualquer coisa, definitivamente (a)

Aurora disse...

oh amor, não penses que por ele não ter lá outra vez é porque não vê, não penses, bonequinha. que ele deve ver e não te ia mentir <3