18 julho 2012

medo.

Não te digo, mas eu tenho medo. Morro de medo, todas as noites, que o dia amanheça e eu já não seja o que tu mais queres. Tenho medo que não me consigas esperar. Tenho medo do tempo, das brisas, das correntes. Medo. Somente, medo que os nossos corações se dissolvam nas nuvéns.

Sem comentários: