03 agosto 2012

O nosso meio-amor.

Estou a muito pouco de desistir de ti. E se me perguntares porquê, dir-te-ei  que no amor não há meio-termo, não há copos meio cheios, ou meio vazios. Porque não existe meio-amor. No amor, ou se dá tudo com alma, ou não vale a pena dar mais nada. Eu já não quero o que tu tens para me dar, porque não é nada dado com valor, com paixão, nem com o mais importante: amor. E se ontem estava muito feliz por te vir a receber, hoje estou muito triste e desiludida contigo. Como tantas, e tantas vezes. Quando é que aprendes, Susana?

Sem comentários: