13 setembro 2012

À parte de ti, vivo perdida. Em sonhos, em gritos, em mares infinitos que não me deixam nadar. Não consigo chegar a terra, não consigo voar até às nuvens nem me sentar na Lua, como nos dias em que me pegas na mão, ou seguras ao colo, e voas comigo. A minha vida sem ti não vale nada, tal como eu não devo valer. Terei de aprender a viver de novo, como um ser que nasce, como um ser perdido. Voltei à escuridão. 

Sem comentários: