03 abril 2013

ainda há quem te espere.

Ainda hoje espero a tua resposta. Aquela que disseste dar-me brevemente e que nunca chegou até mim. Mesmo sabendo que nunca nada me dirás, e eu já ter terminado a minha luta, o meu coração espera-te inconscientemente. Sem a minha permissão, ele teima em esperar-te, em querer-te, mais que qualquer outra coisa. Mas eu não, eu tento contrariar todas as suas vontades e não ceder aos seus pedidos. Confesso, não tem sido fácil. Um dia é de sol, no outro chove e faz trovoada, assim tenho sido eu, no meio de raios e arco-íris, desde o dia em que decidiste sair da minha vida, sem avisar. Fui tomando medidas por conta própria, pois tu nem isso quiseste discutir nem resolver comigo. Tornaste-me num assunto tão pouco interessaste, e talvez nisto, a culpa seja minha, que não passo de um ser sem qualquer interesse para ti. Logo para ti, que costumas ser tudo para mim. Perdão, costumavas. Tornaste-te no vazio da minha alma, e na espera do meu coração..

Sem comentários: