24 maio 2013

Write.

E escrever tornou-se, não num hobbie, mas numa necessidade. Melhor que qualquer psicólogo ou amigo.  Não é preciso marcar consulta ou telefonar. Está sempre pronta a receber-nos, seja no computador, telemóvel ou numa folha rasgada. Quando é para explodir, a escrita é a melhor companheira, a melhor ouvinte. Nunca nos julgará, e apenas nos acolhe. Nos abraça. Ela permite os nomes mais feios, e a raiva mais dura. Como os sentimentos mais bonitos e puros. Obrigada, a quem a inventou. Eu nunca conseguiria dizer, tudo aquilo que escrevo. O que realmente sinto.

2 comentários:

Lúcia Pereira disse...

sinto exatamente o mesmo :)

Lúcia Pereira disse...

sem dúvida, é umas das únicas formas que eu arranjo para "libertar" (quase) tudo o que sinto.