22 julho 2015

Ainda não consegui tirar as tuas fotografias da parede, nem as tuas coisas do sítio onde as deixaste. Não consigo imaginar o meu quarto, a minha vida, ainda mais vazia do que já está.

Sem comentários: