23 julho 2015

E de repente percebes que tudo se destruiu. Que o mundo à tua volta desabou e que não tens alicerces para reconstruir nada. De repente, percebes que perdeste o chão. E que estás afundada num buraco, tão fundo, tão escuro, tão assustador. De repente, já não resta nada.