24 julho 2015

Oh, gostava.

Gostava de ser a tua saudade, a tua vontade. O teu amanhecer e o teu deitar. O teu brilhar, o teu sorrir. Gostava de ser tudo o que te penetra a alma e o teu mais infinito desejo. Gostava de ser tudo aquilo que me és. Mais que uma lembrança, mais que um tempo esgotado. Mais que tudo e qualquer coisa.

Sem comentários: