29 agosto 2015

Quando se perde um amor, há tanto de nós que deixa de fazer sentido. As roupas, as músicas, os perfumes, os sorrisos, os sonhos. Quando se perde um amor, a vida perde o brilho, vemos-nos perdidos no meio da nossa própria cidade, no nosso próprio quarto, no mundo. E temos de delinear um novo caminho, um longo caminho, que agora temos de percorrer sozinhos. Parece obrigação termos de o fazer. Arranjar uma justificação para dar aos outros quando nos perguntam "E agora?". Agora nada. Agora não sei. Agora é tudo demasiado complicado para responder ao "agora". O melhor seria não ter um caminho, um plano de fuga. O melhor seria flutuar, seguir o vento e voar com as gaivotas. Não quero ver tudo destruído novamente, por isso, não quero ter de acreditar novamente. Em nada. 

2 comentários:

Daniela da Costa Silva disse...

Esperemos que sim linda :)
E adoro totalmente a tua escrita, sempre tão fantástica

Ísis disse...

Querida, adoro a forma como este texto está escrito. Vou seguir o teu blogue :)