26 outubro 2016


Houve um tempo em que fomos possíveis! Houve um tempo em que desejaste tanto agarrar-me e não me deixar partir nunca mais.. Um tempo em que eras tudo, em que falavas de sonhos e o teu coração acelerava ao pensar que podíamos acontecer. E podíamos. Eu cheguei a sentir o teu bater, a tua vontade. Não sonhei. Houve um tempo em que era o nosso tempo.. em que me resgataste e me tornaste em algo melhor, em que me mostraste que afinal, a vida pode ser fantástica, e que me agradeceste por ter aparecido na tua, por te ter feito tão bem. Por te ter feito sorrir. Sei agora que foi tudo tão intenso que passou, que as borboletas que nos deixaram parvos, em ti voaram e sufocaram-te o coração. Culpo-me todos os dias por te ter assustado. Por te ter desejado demais, por ter feito com que deixasses morrer o que nos alimentava, por não te preencher como gostarias. Por faltar algo em mim que não encontraste. Se calhar porque não faltava em mim, mas sim em ti. Se calhar esta vontade de ter o mundo nas mãos, em ti não durou mais do que umas horas. E percebo agora que somos talvez demasiado opostos para dar certo, ou para tentares fosse o que fosse. Tu és demasiado cabeça, e eu demasiado coração. Somos como o sol e a lua, que podem amar-se por toda uma vida, mesmo inconscientemente, mas nunca se tocam. Houve um tempo em que fomos possíveis, hoje não somos mais.

2 comentários:

Mari disse...

Tão, mas tão lindo. Dos textos mais bonitos que já li ultimamente... Acho que um Amor desses, como descreves, nunca acaba.. é sempre possível :)
Mas eu sou uma romântica incurável.. :)

Mari disse...

R: Nunca se sabe... Acho que também já passei por isso e só perco a esperança quando o meu Amor de Inverno me disser que não dá... :)